quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

ao Capivari

Inunda-me com tuas impurezas,Rio Profano!
Vejo-te morrer delirante
pelas ações parasitas
desta, tão insana,
espécie

Devastas teu redor
e odoriza o dia com
a podridão humana

Finge-te de morto
enquanto a natureza
vampiriza este sangue lodacento
tentado a vida

Óh, águas do Capivari:
Declino-me sobre ti como que em prece
E em teu reflexo, quase negro,
Enxergo apenas, meu tormento.

Não faço nada por ti,
testemunha de minha história.
Não choro por ti e sequer
sinto misericórdia
pela morte de tua glória.

E, enquanto eu não lamento
ouço os gemidos sedentos
de um futuro
não tão distante...

Nenhum comentário: