quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Dulci

Nublado o dia
alma nebulosa
Calada e Solitária
Luto contra pás de moinhos
imaginários
Doentemente quixotesca!
Sonho com o que temo
Anseio pelo que me apavora
Luto contra o que sinto
Fujo, do que me devora por dentro
Alma heroica? Mente insana?
Que diriam os doutores?
Que declamariam os poetas?
Eu me deponho: perdida!
Totalmente perdida, dentro de mim...
Hormônios? Traumas obscuros?
Será culpa da poesia?
Serei doente, louca, apaixonada?
Tudo
ou
nada?
Nada mais, nada menos...

Nenhum comentário: