quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

versinho

Dizem que muito cedo eu aprendi a falá
Dizem que depois disso eu nunca quis me calá
Mas a poesia da vida me veio sem o bê-á-bá
Aprendi foi sentindo no peito outros jeitos do amor se contá
E fazedor deste ofício prossegui por longa estrada:
aprendi c'os bicho falá
vi coisas que ninguém viu
percebi té livro cantá
escuitei o lastimar dos rios
E flores, versos declamá!
Trago os zóios rasos d'água,
as mãos cheia de calombos
Minh'alma é anssim,
meio menina,
corre descarça
entre sonhos...
Anssim fui ficando poeta
sem jeito de se desvirá
Mordida de encantamento
com tudo em vorta a me afetá
Isso é coisa mandada
Nasce cá gente sem dó cresce no peito e arregaça
Vem mesmo pra dilacerá
Sei que julgam maluca
Inconsequente tarvez
Mas guardo comigo
que loucura de poeta é santa
(pro Mundo do jeito que tá?
acho que doido são cêis)

Nenhum comentário: