segunda-feira, 25 de julho de 2016

Em matéria de amor

Amor tema constante
Cheio de variantes
Nas circunferências da vida.
Girando contrariamente
Que raio milimetricamente
Calculado o segmentaria?
Amores doentes
Amores ausentes
Amores rotina
Cada régua tem sua medida;
Nesta estranha geometria
Qual o grau do ciúmes?
Onde está o X da razão?

Amor, metáfora tão clara,
Repleto de figuras de linguagem
Na gramática da existência
Circulando em diversos períodos.
Que verbo mal conjugado lhe direi
E, ao dizer, despedaçarei o sujeito?
As confusas traduções do amor:
Amores trágicos
Amores sinceros
Amores complexos
Cada pessoa traz em si as palavras
Que compõe a grande redação de deus
Onde colocarei as interrogações?
Como compreender os sinais?
Onde haverá um ponto final?

Amor, lugar distante
De latitude e longitude
Imedimensionáveis  no globo
Circulando em trajetória universal.
Que declive o derrubaria?
Os diferentes solos para o amor:
Amores carnais;
Amores platônicos
Amores fatais
Cada mapa tem demarcações 
específicas pro amor

Amor matéria ainda oculta
De química efervescente
Em todas camadas do planeta
Átomo perfeito. Base da criação.
Que ciclo existencial lhe
Nutriria plenamente?
Os diferentes estados do amor:
Amores sólidos
Amores mórbidos
Amores plenos
Cada ser traz em si esta essência
Quais suas escalas evolutivas?
Como descobrir quão exatas suas ciências?
O que se pode compreender
Nesta grande escola da vida
É que somos alunos primários
Diante do grande mestrado
Que é amar sem medidas...


Angel

Nenhum comentário: