domingo, 24 de julho de 2016

Verso

Um palhaço triste, sou eu
Um oceano vazio, sou eu
O vaso de flores murchas
Sobre a velha sepultura do cemitério,
Sou eu
Quanta mágoa pode suportar um coração
Antes de se dilacerar?
E o ranger daqueles milésimos de segundos quando a dor esta para se tornar desespero...
Ah, estes ruídos...
Trago tantos pensamentos nesta alma vadia
Que versos farei?
Que tristes versos farei...

Nenhum comentário: