segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Adeus



Minha flor de pétalas macias
dei-te com prazer e
tu, deleitou-se com ela
por noites e noites.
Meus segredos mais profundos
te entreguei. 
Confessei-te meus pecados íntimos
E meus versos foram teus.
Não só os fiz para ti
como entreguei-os de bandeja.
Juntos em uma eterna noite
De doces e travessuras.
Mas tu fostes deverás travesso
Ultrapassou os limites 
Descompassou nossa melodia
Destruiu nosso amor.

Agora eu estou em reconstrução
Minha solidão ecoa dentro da madrugada
Sou as cinzas que restaram da fogueira de nossa paixão.
Mas, renascerei. Triunfarei sobre ti.
E tu, em lágrimas, implorará
Pela volta. Em vão...
Não mais. Nós nunca mais seremos.
Eu não sou. 
Outro virá. Outros virão.
E tu será apenas 
uma lembrança triste.

Angel

Nenhum comentário: