quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Delírio


Sou tua serva e sou teu grito
Um gemido abafado e 
Aquele suspiro suspirado
Num segundo de delírio
Entre o querer o não poder te encontrar.
Sou aquela que se oculta entre os becos a espera dos poetas que tropeçam entre seus versos e a cachaça que acabaram de entornar.
Sou os ponteiros do relógio que se encontram a meia noite no horário que os amantes se entregam ao luar.

Angel

Nenhum comentário: