quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Gira-sol






 Caminhando entre delírios
Meus pés sagravam espinhos
Parei a beira do caminho
Para ver o tempo brincar

Avisteis algumas flores
Bailando ao som do vento
Frágeis e trêmulas
Suspiravam devaneios

Rabisquei meu nome na terra
Com dedos de contornar sonhos
Toquei algumas sementes
Que logo desejei plantar

Cultivei-as no meu quintal
Iludida com os  lírios que virá
reguei-as- com todo carinho
(carinho de que esta a sonhar)

Mas nas cambalhotas do tempo
Qual não foi minha surpresa
Ao descobrir que a vida
É o poder da natureza

Ao invés de um jardim de lírios
Brotaram girassóis
 grandes e amarelos
cheirando desilusões

Mas olhando-os com atenção
Vi o que tempo queria dizer:
A vida nos entrega sementes
Que devemos cultivar
Nem sempre ficamos contentes
Com o que vemos brotar

Hoje eu compreendo
O valor do inesperado que
trouxe aos meus olhos,
ainda despreparados,
flores que me ensinaram
um valor inestimado.

Girassóis não tem perfume
Como orquídeas ou rosas
Não são flores delicadas
Como margaridas ou dálias
Mas trazem o coração
Repletos de sementes,
sorriem para o novo dia e
se movem em busca da luz!

Plantei em meu coração
Pequenas sementes-girassóis
Que um dia, quando eu murchar,
Elas possam se espalhar
Deixando o meu carinho
A quem quiser cultivar

Angel.

Nenhum comentário: