sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Puta poeta

Eu sou uma puta poeta
E também uma poeta puta
Tatuo versos nos seios
E marco os pulsos com facas

Degolaram minha cabeça
Serviram em bandeja de prata
Rasgaram com amor o meu peito
Comeram meu coração com batatas

Não vou lhe explicar meus poemas
Nem tente diagnosticar meu olhar
Não caibo em seus teoremas
Nem faço questão de estar

Dentro do falho sistema
Que faz este mundo mundo girar

Eu lido comigo na Arte
Me dei a liberdade de ser
A poeta que fode na prosa
E a puta que excita você

Angel.

Nenhum comentário: