sábado, 17 de dezembro de 2016

Amo

Me pede poesias sensuais
Para seduzir outras mulheres
E eu te dou e te doo o melhor de mim.
Não há perdão para o que faço
Contra mim
Contra quem se importa comigo
Contra a poesia

A dor de ser tão pouco
É meu castigo
A minha insignificância
É inspiração

Por isso minha poesia sobrevive
Embora eu, talvez, não.

Angel

Amor

Abraço a esperança deste amor
Que não existe
Você que eu amo
Também é inexistente.
É uma projeção dos meus desejos
É a droga que eu preciso me
 acalmar antes de adormecer

A sua não existência
Injeta em mim o animo
De ser

Angel.