terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Eu

Não sou a mocinha que precisa ser salva.
Sou a guerreira que se infiltra nas batalhas
Não sou a donzela que espera pelo seu beijo
Sou Madalena, sou Lilith, sou Dalila...
Fui para muitas guerras
E, quando sangrei, suturei minhas próprias feridas.
Eu mando no meu desejo.
Eu não me sinto em pecado  
Eu gozo na cara do recato
E não é porque sou livre que tenho que me 
dar para  quem quer que seja.
Deuses ou demônios pode brincar com meu destino, mas sou senhora do meu espírito!

Angel