terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Metamorfose



Não é maldade, quero estar aqui
Só não quero fazer parte de nada
Experimentei alguns rótulos, mas eles não me couberam
Apenas observo tudo sentada no canto escuro da sala
Quero morder meus pulsos e escrever poemas com o sangue que sagra Grégor Samsa em Kafka.

Angel.

Pensamentos




Você quer o que não sou.
E não serei o seu querer.
Querências são responsabilidade do queredor.
Eu, sou a querida!

Angel.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Maos

Minhas mãos bailam enlouquecidas por meu corpo.
Eu sou onde me toco: fogo.
Essa é uma dança solitária.
Valsamos, minhas mãos e eu, na madrugada.
Ninguém ouve nossos gemidos...

Angel.

Mais

Enlouquecida. Te desejo.
Mais que beijos.
Escreve em minha alma 
teus versos obscenos.
Deixa de lado a estética poética.
Seja a foda  poesia afinal...

Angel


Cosmos



Acendo uma vela
Vou trascender
Além do eco de não viver
Não tenho regras
Nem direção
O meu caminho
É a contramão
Eu me recuso
A pertencer
Por isso mesmo 
Vou ascender

Angel

No bar



Por favor, garçom! 
Encha o meu copo
Preciso de um veneno
Que seja letal...
Por favor, garçom
Não negue meu pedido
Toda noite estou aqui
Já somos tão amigos...
Não posso mais ficar
Nesta vida a toa.
Pois minh'alma
Um canto já entoa
Um canto de adeus
E ele é tão triste
Que me põe aos prantos
Sou só desencanto

A Dama da Morte
De vestido carmim
Já vejo chegar
Para me conduzir
Me leva para dançar
Num bailado atrapalhado
Eu tropeço no desejo
Anseio por seus beijos

Por favor, garçom.
Me traga uma caneta
Prometo lhe deixar
Dois versos e 
A gorjeta neste guardanapo
De papel manchado
do pranto que sequei
assim que foi chorado.

Obrigada, amigo.
Agora vou partir
Entregue a minha amada
A carta que escrevi.
Não conte que chorei
Diga que sorri
Enquanto a bela moça
De vestido vermelho
Me levava daqui.

Angel.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Bruxas



Dança comigo, irmã
Não somos inimigas
Nos fizeram rivais
Para nos enfraquecer
Vamos acender 
A fogueira ao luar
E nuas seremos
 um ritual
Sagrado e profano
Adorando a deusa
Que nos habita

Dança comigo, irmã
Longe do deus barbudo
Do deus misógino
Do deus estuprador
Queimemos juntas
Na fogueira cristã
Sejamos um churrasco pagão
Que eles saboreiem nossa 
Carne e morram engasgados
Com nossos pecados

Dancemos, irmãs...

King



Sobre toda tempestade
Eu prospero absoluta
Sou rainha da guerra
Sou filha da luta

Sobre toda maldade
Eu sobrevivo resoluta
Sou feiticeira
Sou a filha da puta

Angel

sábado, 28 de janeiro de 2017

Ando longe da paz poética
Na labuta louca dos assalariados
Mas a poesia que não vira prosa
Ainda mora dentro de mim.

Por isso, ando apreensiva
Vou morrer doente com
Todos estes versos presos
Num ventre pronto para parir.

Angel.

Angel



Eu sou do signo do sol
Meu elemento é fogo
Sou canibal/Sexual/Anormal
E estou perdida
Completamente perdida
Dentro da minha cabeça
Tenho passos tropegos de bebado
E mãos tremulas do parkinson
As lembranças foram apagadas por
meu cérebro me protegendo da tristeza

Por isso
Eu queimo
Eu fodo
Me procuro
Me apoio em muletas
Escrevo poemas
Por isso, esqueço
e choro escondida
na madrugada.

Angel.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Fomes



Alimenta em mim a fome que tenho de ti. 
Sagrado deleite de minha convulsão e do meu extase.
Somos eterea confusão de medos desejos e sonhos subjulgados pela cruel realidade.
Ainda assim, amamos.

Angel

Degola



Houve um momento de adormecimento
E, quando acordei, minha cabeça tinha sido separada do meu corpo.
Só percebi pela cicatriz, pois ela havia sido recosturada.
A dor era insuportável. 
Me levantei feito marionete, mal estruturada.
Aos poucos reaprendi a vida.
Meu cérebro frouxo feito nozes na casca. A nuca eternamente em dor.
Será que a mesma alma me habita depois da quase morte?
E o gosto azedo na boca sina dos enforcados....
Triste fim dos que se foram, mas ainda ficam.
Dos que estão fora dos padrões. Dos que não se encaixam em perfis.
Triste fim o dos loucos e sonhadores que não morrem apenas agonizam no eterno umbral  da poesia.

Angel.

Elementos



O céu escuro
Alma sombria
Eu, fogo.
Euforia

O céu nublado
Ventania
Eu, água
Nostalgia

O céu azul
Mente vazia
Eu, ar
Melodia

O céu em chamas
Caligrafia
Eu, terra
Poesia

Angel.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Viagem



Estou de pernas abertas
Esperando o teu tesão
Há uma lua no céu
E uma rua no chão
Então, vem...
Pega a estrada e segue
Em minha direção
Cuidado com curva estreita
Dentro do meu coraçào
Acelera o teu motor
Invada a contra mão
Você selvagem
Eu perdida
Será um amor de verão

Angel.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Rios

Sempre sonho com pontes 
e com rios transbordando.
O medo me faz frágil
ultrapassa-lo me fortalece

Sim, sou menina.
Demasiadamente forte
para mergulhar de cabeça
e me deixar levar
pelas águas turvas
do inesperado.

Angel.

Sangro

E porque eu me entreguei à Vida
Ela me acolheu de forma plena
Foi a suprema renúcia ao supérfluo
E o acolhimento absoluto do vazio
Eis que sou o que não é.
E por não ser existência, é essência!
Essência pulsante, latejante, dolorida.
Sangro vida por todos os poros.

Angel


sábado, 21 de janeiro de 2017

Liberdade



As paredes do quarto
Retangulo planejado
Para me enjaular
Disfarçadamente aconchegantes
Para que eu me acostume
E me esqueça que sou selvagem

Minha alma, feito animal
Não se rende. Sou arredia.
Me debato até sangrar
Não aceito paliativos
Nas feridas que se abrem

Tenho asas longas
Que se ferem nas madrugadas
Solitárias...
-Será que ainda posso voar?
Penso, enxugando a lágrima
Que queima feito ácido
Em minha face.

Angel

Frase




"Não sou dona dos meus pé quando vão em tua direção"

Angel

Wicca



Velha anciã, bruxa maldita
Queimei-me tantas vezes
Em sua fogueira de hipocrisia
Que sou chama constante a arder
Em louvor a deusa que me guia

Esses seus deuses senis
 e demônios perdidos
Nada podem sobre minha
Ancestralidade feminina

Sou a Terra fértil que frutifica o Universo
Sou a feiticeira que encanta palavras
Sou a poeta que rompeu a estética da poesia
Sou a mulher que rompeu com a hierarquia da sexualidade pré estabelecida.

Danço nua em volta da fogueira
Danço nua em volta da poesia
Danço nua em volta dos seus padrões.
E queimo, queimo intensamente em seus corações.

Angel

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Eu tenho fome dos vermes
que rastejam  em paz
entre os estrumes..
Dos que moram dentro das
frutas maduras caídas 
no chão.
Rastejar dentre a podridão
requer uma certa realeza!

A gosma da lesma
que desliza sobre a folha
da alface.
A lesma, bailarina a
 esparramar-se
alheia ao nojo

Invejo os vermes-
excluídos- que mastigam
a carne humana que
apodrece na terra
depois de uma breve vida
de orgulho e nausea.

Angel.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Solidão




No fim da tarde
Na calada da noite
Eu ouço seus passos
Eu fico de pronte

Sei que é a hora
Da fera comer
Ouço sua fome
A me corroer

Ela  predadora
Farejando no ar
Meu sangue e suor
Vai me devorar

Há um fio muito tenso
Estendido entre nós
Entre olhares atentos
Estamos tão sós

A solidão mal maior
Veio me possuir
Ela, Fera faminta,
Carne humana
Gosta de consumir.

Angel.

Angel



Explodi 
anjo
que sou
em centenas 
de micro
partes...
Que restará 
de mim?

"Será arte?"

Angel

Depressiva




Hoje sou dor
Minha e tua
Nossas dores
Cruas, nuas

Ela, a dor,
Que carrego
Feito menina
Carregando 
Boneca.
Ela que nino
Em meus braço
Doentes e cansados

Dor tenho sido
E serei, eu sei
Adormecida
Bela dor 
homicida
Que me matas
Aos poucos
Da dor mais doida
De amor

Angel

A procura de...



Procuro um amor divertido
Para rir ao invés de chorar
Amor destes menino
Que gosta de brincar

Procuro um amor sincero, 
Mas que seja só invenção
Para fazermos poesia
Quando bater o tesão

A vida é muito que exata
Que seja inexato então
Procuro um amor gato
Já que a vida é cão

Angel

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017



Tu me diz que sou tua
Enquanto coloca o chapéu e sai de casa.
Vai para os bares jogar, beber, foder outras mulheres.
Eu fico absorta em minha dor a tua espera.
Meus olhos já choraram tanto que não tem mais pranto
Na madrugada o sono e o cansaço me fazem adormecer mesmo no sofá.
A sombra de nosso amor rasteja em torno.
Acordo com a porta sendo destrancada. 
Tu chegas como se sempre estivesse ali. Me abraça. Me beija como se fosse o primeiro beijo. 
Olha nos meus olhos e sinto outros perfumes misturados ao alcool.  Diz;
- vamos para cama, minha menina?
E me puxa de leve. Deixo me ir tão tua. Tão entregue.
Nada mais doi. Fazemos amor até o sol nascer.

Angel

Bipolar




Sou duas em uma
Sou a dama no dia a dia
Respeitada, venerada
Cortejada pelas beiradas.
Mas nas madrugadas
Sou tua vadia
Despeitada, escandalosa, enciumada.
Mais vagabunda que meu vagabundo porque reclamo mas não me desfaço deste laço imundo.
Eu tenho correntes
Ninguém as vê.
Me prendestes, me prendeste.
Sou completamente entregue a você.
Sujo amor. Rastro de lama. 
Puro na verdade. Sem vergonha
Fora da realidade. Nossa alucinação.
Sou o seu segredo. Éd minha perdição

Angel.

Guerra



Vamos guerrear?
Desembanha tua lança 
e se lança sobre mim.
Nosso coito. 
Nossa fome 
um do outro 
não tem fim .
Vagabundo,
 morto de fome,
 me despe,
 me come 
sem educaçao.

Porra, eu quero que gozes
Transbordes e derrame-se em mim.
Foda-se junto comigo
   na cama, 
        na mesa 
             e na rua, enfim.
Que nos fodamos
 em toda parte, 
principalmente 
na Arte que geme pra mim.
Gozemos na cara
 das gentes que riem
 sem dentes e pregam o fim. 
Nos despudores dos versos
Nas labaredas deste amor
Trepemos com a poesia
E que a foda seja com dor

Angel.

Beijo



Teus beijos
Meus lábios
Encaixe perfeito
Atalho
Pro coito
Desejo
Do enlace
Dois corpos
Num só
Orgasmo

Angel.

Paixão



Porque teu olhar parado
Me pega de jeito? Me bota tarado?
Eu aqui todo malandro
Vagabundo ladrão de coração
E tu aí dama menina completamente nua
 usando a poesia de adorno. 

Não sei porque brincadeira do destino
Meu caminho foi cruzar com o teu
E agora tô feito moleque quando se apaixona pela primeira vez
Correndo atras de ti por cada rua ou viela
E tu, menina, só pensa em teus versos.

Não sei o que tu fizeste
Que espécie de bruxaria pusestes em teus poemas que me deixaram assim de quatro 
Implorando por teu amor..

Angel

Entrega



Vou me dar para você
Como ninguem deu
Vou me expor
Me entregar
Me ajoelhar

Serei a menina
que você sempre
sonhou em possuir
Serei a mulher
 que você nunca teve

Entregue à exaustão
Que seja a noite toda
Amor, suor, desejo
Nos esfolaremos

De quatro
De fato
Quero ficar
De quatro
No ato
Eu vou
me postar
De quatro
É contrato
Eu vou me entregar

Trepar com você
Gozar com você
Gemer com você
E finalmente
Adormecer exaurida
Ao seu lado

Angel

Bocas

Tua boca
E minha boca
Nossas bocas
Uma na outra
Não são mais bocas
São boca braços mãos
São coração

O calor que se fez
no roçar de nossos corpos
Fricção, fusão,   fundição
dos elementos
que uno se tornam

Tua boa e minha boca
(Se enroscam
Se confundem)
Uma só boca
Uma só língua
Único pulsar

Desnuda-me com teus lábios
Cobre-me com teus beijos
Aquece-me com teus lábios
Mata-me de desejo.

Feliz dissolverei meu eu no teu...
Não mais bocas
somente almas
em combustão

Angel.

Sumissão



Me insinuo, me entrego
Sou tua e ardo no inferno
De pertecer mais a ti que a mim
Não há em meu poema  um só verso
Que não seja o desespero
 desertico de te amar 
Sabendo que não és meu. 

Tens um coração puto.
Esta sempre por aí a roubar paixões.
Sei que vou me ferir
Eu sei
Eu sei que me sentirei 
a mais suja das criaturas.
Mas volto pra você toda 
vez que me chama

Pede que eu seja, enquanto não és.
Sangro desejo por ti
Me fodo em fogo e tesão
Enquando o que ganho
 de ti é desprezo e enganação.
Mas mesmo assim sou tua
O tempo todo e completamente.
Sou tua na poesia, na cama, 
na solidão (que nós dois carregamos escondida)

Angel

sábado, 14 de janeiro de 2017

Gata



A tarde se espreguiça
- gata manhosa que é -
Enquanto balbucio saudades
De ser tua em um canto qualquer.

Angel.


Versográfia



Meus traços
Meus versos
Bordados
De meu eu

Minha arte
Confesso
Retalhos
Do que era meu

Meus sonhos
Professo
Restos são
Dos sonhos teus

Angel.

A dança do poema



Na ponta dos pés
Dedilho
Versos que perdi
Eu teus caminhos 
suavemente profanos...

Angel

Loba




Se você quer uma  menininha
Cuja maior rebeldia é usar um boné
Sinto muito...

Nunca fui
A menina
De alguém

Desde criança
Fui obrigada
a ser a loba
Solitária que
caça sozinha

Predadora 
Quebrei tabus
Sobrevivendo
A dores 
intradúziveis
Incuráveis

Olham-me De longe
E se admiram
Me lêem, mas 
Não leram tudo que li.
Me lêem, mas
Não sabem o que vivi

Mesmo assim, me dizem
"Li você e você leu minha alma"
Esse é meu dom. 
Esta é minha Arte.

Sou plena e intensa
Meu olhar é de caçadora
Minha alma selvagem
Não há limites
Que eu não ouse
 ultrapassar
....

Angel.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

A leonina



Pega no meu pé
Pega minhas mãos
Me pega no colo
Tenha compaixão

Hoje eu tô carente
Não vou reclamar
Quero os teus mimos
Venha me ninar

Pode ate desafinar
A nossa canção
E dar  na minha boca
Nossa refeição

Hoje eu tô.na tua
tô muito manhosa
Mas não se esqueça
Que eu sô felina
Hoje tô  mansinha
Mas eu sô leonina

Tenho garras longas
E um bocão
Posso devorar
O teu coração

Angel.

Sonhos



Eu tenho sonhos
 que são pesadelos
 que são sonhos 
dentro dos pesadelos, 
enquanto estou acordada

Angel

Adeus



Desisto de existir
Desisto de tentar morrer
Desisto da poesia
Desisto de amar você.

Vou simplesmente coexistir
Com este corpo maldito
Não quero mais sorrir
Pra esta vida estúpida.

Angel.

Loba



Chega nas noite de lua cheia
Uivando em meu colchão
Enche de pêlo os meus lençois
E de fúria o meu coração.

Angel

Loba



Humano, sim. Mas não ei de perder meus instintos: tato, falo, olfato cio
Uivo-te em mim amado amante
Dentro de mim, embora distante
Dispo-me para ti e a tua à nobreza me curvo.

Angel.

Profana

 

Se algum mal me espreita
Tu me proteges
Se o mal vem de mim
Tu me perdoas

Sou tua perdição e
Tu és minha salvação.
De joelhos me coloco
Devota ao Teu poder

Angel

A carta



Acordei assustada de um terrível pesadelo
E senti ainda mais medo por não tê-lo aqui
Seu lado na cama estava frio, mas tinha a marca de seu corpo sobre os lençóis

Na escrivania, ao lado, seu bilhete.
Um adeus. 

Angel.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Minha



Enquanto você dorme escrevo-lhe estas linhas.
Nos conhecemos há muitas vidas ontem nos reencontramos.  Nossas almas se reconheceram assim que nos olhamos. Nossos corpos se desejaram assim que nos aproximamos.
Falamos de coisas bobas e rimos de coisas sérias. Tudo foi poesia regada a vinhos.
Arrastamo-nos pela brisa suave da madrugada para este quarto. Seu quarto. E fizemos amor com a intensidade de que só as almas gêmeas são capazes.
Você adormeceu, mas eu não consegui. Fiquei olhando para você nua, com gotículas brilhantes de suor sobre a pele alva.
Como lhe desejo. Como lhe amo.
Mas o que não me deixou dormir não é o amor que sinto, é a consciencia do adeus.
Sei que partirei agora e nunca mais nos veremos. Eu tenho minha vida e estou dilacerado de dor.
Adeus, poetisa. Não chore por mim, por favor. Não quero ser sua lágrima. Me torne sua poesia.
Eternamente teu cavalheiro embora seja seu vagabundo...

Angel

A que fica

Sempre serei a que fica depois que todos foram embora.
A que te espera e segura tua mão do lado de fora quando a festa acaba e todos os convidados se vão.
Sempre serei eu a ler teus pensamentos e transformar teus sonhos em realidade.
Estarei a tua sombra exaltando tua luz.
Sim, sou tua menina. Sou tua mulher. Frágil e forte.
Tua e ausente.

Angel


Sexo

Vamos falar sobre sexo?
Sexo... sobre sexo.
Biologicamente? Geneticamente?
Sexo em geral?
Sobre nós fazendo sexo?
Não seria melhor talvez abrirmos esta garrafa de vinho e nos servirmos de umas taças?
Nos embebedar olhando nos olhos um do outro?
Depois nos beijarmos enquanto nos despimos.
Ávidos e desastrados em busca de uma cama e, na falta dela, cairmos no chão?
Não seria infinitamente melhor nos amarmos, nos fodermos intensamente?
Enquanto falamos de sexo...!!??


Frases

Nunca mais poderás pertencer a outro. Não estas presas, mas és minha.
Roubei teu corpo, alma e coração enquanto estavas distraída.

Angel

Manoel de Barros



Não farei versos torpes sobre teus lábios
que hora são doces hora salgados 
Não farei versos sobre teu olhar
Lânguido e perdido na imensidão do verde oceano de tua alma
Não haverá poesia sobre tua alma selvagem e doce como a brisa primaveril

Meus versos serão sobre esta joaninha que trafega vagabundamente sobre as folhas deste lírio que te vi plantar com suas mãos meigas em uma tarde de outono enquanto falávamos da delicadeza de Manoel de Barros.

Angel.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Me toma



Não quero que chegue de leve.
Não aceito beijos tímidos.
Preciso que me pegue de jeito e sem cuidados,
que me jogue na cama esfomeado.
Que me coma faminto lambuzando os lábios.
Quero que entre por todos o vãos sem pedir licença.
Arrombe as portas trancadas, me torne sua vadia privada.
Me tome como quem toma posse de um país pela guerra.
Enfie o mastro de tua bandeira sem castos pudores.
Me lamba, me beije, mastigue-me inteira. Não peça, ordene.


Angel


Stigmata


Dores me atormentam o físico
E purificam a minha alma
sucumbo as chamas de meu flagelo
Renasço fênix de minhas cinzas

Em minhas mãos desabrocham
Estigmas como rosas carmim
Meus cabelos caem como 
Neve no inverno de minha alma

Todos me olham, mas
ninguém me vê sangrar
Minha alma exala no ar
essencia alecrim recem colhido

Estou em transformação
Morrendo em mim
Renascendo em mim

Um parto sujo e dolorido 
Nunca Eva do paraíso decadente
A poesia me rasgou ao meio
Dilacerou minhas entranhas

Não sou a mesma
Sou um ser mutante
Que agoniza vida
A purificada pela dor
A regurgitada pelos anjos
A poeta.

Angel.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Eu

Bebo vinho
Como quem bebe almas
Leio livros
Como devoram hambúrgueres
Escrevo poesia
Como quem fode por amor

Angel

Alvorecer



Me imponho a tola solidão dos meus medos
Coroada pela triste insanidade destes dias
As pessoas, feito formigas, se aglomeram
Desesperadas por um grão de açucar.

No céu sem nuvens de brancura doentia
Deito-me no chão e observo
A escuridão me cheira, me ronda
Chegará em breve

É fim de tarde no meu coração...

Angel.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017



Não serei tua
Já que não és meu
Serei um pouco de cada homem
Me partirei em mil pedaços e me darei aos lobos famintos.
Nunca serei tua completamente. E nunca deixarei de ser tua por um segundo se quer.
Mas serei tua aos cacos, aos bagaços do que sou.
Porque me destes apenas restos quando eu te dei todo meu amor.

Angel.