quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Puta

Dispenso o recato
E o fino trato
Fodi com a vida
E ela me fodeu
Há certos pudores
Que se mostram falidos
Só depois que se perde
É que se aprende a viver

A margem de tudo
Julgada por todos
Fiz o que pude 
 A dor era  grande
Eu me entorpeci 
Para sobreviver

Se fria pareço
Perdão eu lhe peço
Mas eu lhe confesso
Tenho um coração
Que arde e queima
De saudades que tenho
Dos sonhos perdidos
Nos becos da cidade

Nas noites quentes
Nas frias madrugadas
Em mesas de bares
Sem deuses ou fé

Busco minha redenção
Num copo de vinho barato
Sei da minha luta
Eu fiz o meu pacto
E pago com a alma
Em cada contato
Com demônios sujos
Que me fodem sem trato

Feita de intensidade
Eu gozo sozinha
Minha virilidade
De ser só minha
Eu vivo em tempestade
Cavalgo furacões

Fora da linha
Longe dos padrões
Eu sangro e ardo
Minha liberdade
De ser perdida
Em sua "bondade"

Angel


Nenhum comentário: