sábado, 21 de janeiro de 2017

Wicca



Velha anciã, bruxa maldita
Queimei-me tantas vezes
Em sua fogueira de hipocrisia
Que sou chama constante a arder
Em louvor a deusa que me guia

Esses seus deuses senis
 e demônios perdidos
Nada podem sobre minha
Ancestralidade feminina

Sou a Terra fértil que frutifica o Universo
Sou a feiticeira que encanta palavras
Sou a poeta que rompeu a estética da poesia
Sou a mulher que rompeu com a hierarquia da sexualidade pré estabelecida.

Danço nua em volta da fogueira
Danço nua em volta da poesia
Danço nua em volta dos seus padrões.
E queimo, queimo intensamente em seus corações.

Angel

Nenhum comentário: