segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Amor

Meu doce e proibido amor
Choro tua ausência quase estranguladora
Choro nosso desejo impossível
Choro teu abraço improvável
E o gosto de teu beijo invisível...

Meu doce e proibido amor
Não me peça pra explicar
Porque se eu tiver que traduzir
Nós dois vamos chorar, eu sei

Sei que andou me procurando
Em outros braços
Que tropeçou e em outras camas
Perdeu o teu compasso
Mas nossa música nunca se perdeu
Você é melodia, os versos sou eu

Meu doce e proibido amor
Que azar o nosso não nos pertencermos
Que tristeza nos braços um do outro
Não amanhecermos...

Angel.

Nenhum comentário: