segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Deixa-me


Deixa-me ser a que caminha sozinha
De olhar firme e mãos tremulas
Deixa-me ser a que não sabe cantar e nem dançar, mas ainda assim, aquela que mais ama a música.
Eu tenho todos estes barulhos na minha cabeça, mas não sou esquizofrênica. Sou pior, sou poeta.
Vocês me emolduram. Querem me por numa parede mal pintada... Eu não caibo.  Nunca vou caber...
Deixem-me seguir equilibrando-me na corda. Eu a estirei. Eu a colocarei em torno do meu pescoço quando chegar a hora.

Angel

Nenhum comentário: