sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Florir



Minhas mãos bailam borboleta
Por flores dos teus jardins
Duas meninas faceiras
Colhendo lírio e jasmim
Parte uma da outra
Com boca de beija-flor
Sugando o nosso néctar
Pousando de dor em dor
A boca solvendo o mel
de lábios ocultos,
Sugando leite inexistente
De dois pares de seios 
Imperfeitos
O prazer absoluto
De natureza tocante
Aranhas tecendo teias
Em noites provocantes
A perfeição do extâse
A delicadeza do gozo
Irmãs, filhas da Deusa
Amigas da Terra e do Ar
Amantes, a arder na fogueira
corpos lenha para queimar
Meninas correndo lobas
Uivando em frenesi
Parindo do próprio ventre
A Deusa que habita em si.

Angel.

Nenhum comentário: