sexta-feira, 24 de março de 2017

J

Sempre me cansam 
os risos, as lágrimas
as palavras entaladas,
os medos infantis...
Me cansam demasiado
as indiretas maldosas, 
os mentirosos de amor...
Chego a exaustão
e desabo  ociosa.
Entrego-me covarde
ao desalento.
A rudeza da vida
me espinha o espírito,
me rouba a gana
de lutar.
Sobrevivo. A que preço?

Angel

Nenhum comentário: