terça-feira, 25 de abril de 2017

Aranha

Teça sua teia
Envolva-me
Há em mim
Um quê de presa
Uma pressa em ser
Seu alimento
Há uma ânsia
Pelo sacramento
Pela dor, pelo fim
Eu, viscoso ser.
Inseto abominável
Parte baixa na cadeia alimentar
Eu, indigerível
Crave suas presas
No meu abdômen inchado
Sugue-me a gosma
Envenene-se
Que a nossa morte
Seja lenta e a dor
Insuportável.

Angel...

Nenhum comentário: