sexta-feira, 28 de abril de 2017

Demons

O demônio que me habita
É faminto e me devora
Rói a carne crua e 
Bebe minh' alma...
Eu, senhora do pecado
Sem hora pra perdões
Rogo, em vão o rosário,
Repito em grito o sermão.
Dai-me para comer teu corpo sacro
Que era trigo e fez-se pão.
Daí-me de  beber o vinho
Que era o teu sangue cristão.
Grunhe,  anjo caído!
Meu corpo teu abrigo
Também fez-se tua prisão.
Pois não há maior castigo
Que arrastar contigo
Um humano coração partido

Angel

Nenhum comentário: