quinta-feira, 4 de maio de 2017

Morte

Se eu gritar teu nome tão alto quanto possam os meus pensamentos, tu vira?
Entrarás pela janela fechada, sem arrombá-la e me levarás contigo no meio da noite?
Cavalgarás pelas estradas invisíveis dos sonhos e me esconderá dentre as brumas?
Preciso saber se podes me fazer sumir devagarinho nas lembranças​ dos que ficam, pois não quero lágrimas a me chamar.
Este lugar quente e seguro para onde me levas tem cheiro de mato? Preciso que tenha, porque me acalma.
Lembro-me criança, olhando a madrugada, esperando-te certa de que viria, de que me escolherias. Mas sempre fui enjeitada por ti. Mesmo tu rondando-me a vida toda.
Agora, dou por certa tua chegada. Cometi todos os Erros tolos que esperavam de mim. Não surpreendi as expectativas de ninguém. 
Irei como vivi, a toa. 
Quero fazer mais um pedido: peço que cante Dylan no longo trajeto rumo ao esquecimento.

Angel...

Nenhum comentário: