quarta-feira, 12 de julho de 2017

Dor

Meu pescoço tem uma cicatriz
Eu amo minha cicatriz
Meu ventre tem cicatrizes
Eu amo os frutos dele
Me cortaram muitas vezes
Me feriram sem precisar
Amo minhas feridas
Há agora, na nuca,
Uma dor constante
Que oscila, entre o suportável
e o insuportável
Não amo a minha dor, mas
Quase entendo que a mereço.
Nunca dei um sorriso a menos
Por conta da minha dor
Nunca disse "agora não posso te ouvir"
Por conta da minha dor
Nunca faltei do trabalho
Por conta da minha dor.
Eu a levo comigo
No olhar, na poesia, no amor 
Que trago no meu peito.
Eu me respeito por isso

Angel.

Nenhum comentário: