quarta-feira, 12 de julho de 2017

Noite do desencontro

A noite do nosso desencontro 

Eu saio de casa para não lhe encontrar.
Marcamos de nos desver na praça central.
Saia preta pregueada rodada como eu em você
Enrendamos uma trama, maior é o drama a nos envolver.
O descompasso dos nossos passos, nem AllStar azul poderia prever.
A meia noite nos desencontramos com a lua cheia de eu em você.
No beijo que nós não damos mais do que saliva trocamos. Somos tão demodê...
Sem dentes mordemo-nos os lábios. Vamos nos beber. Seu sangue o meu envenena e eu enveneno você.
Despido de todo pecado corremos pelados pela multidão. 
Uivamos apaixonados para um astro cheio do nosso tesão.
Fazemos amor feito bicho, no meio do mato, deitados no chão.
E eu volto para casa envolvida nos frios braços da solidão.

De: Angel

Nenhum comentário: