quarta-feira, 12 de julho de 2017

Você

Sinto-me na rua
Sinto-me nas pessoas que passam
Saio-me de mim e vou...
Penetro nas almas e construo versos.
Meus versos falam dou meu eu, 
mas comunicam-se com o mundo.
Transcendo o meu sentir, 
atinjo o universal.
A poesia que faço é alteridade. 
Poesia é um ente vivo e latejante
no seio de uma sociedade torpe.
Rasteja solene a margem.
Silenciosamente berra, arranha.
Sinto-me no espírito dessa gente toda.
Sinto-me nas pessoas que já passaram,
que se foram há tempos.
Saio da zona de conforto
rasgo-me ao meio e cicatrizo poesias.
A poesia que vejo nas ruas, escrevo.

Angel

Nenhum comentário: