sábado, 25 de fevereiro de 2017

Jardim




Rasgo-me em flores pra ser menina de teus olhos jardins 
Onde cultivamos nosso amor-beija-flor
Onde bailamos lírios ao vento
Onde giramos sóis em cata-ventos
Onde espinhamos rosas e perfumamos orquídeas
Nós que borboleteamos os verbos
Besoureteamos os sujeitos
Nós, que minhocamos os predicados
Cavemos a cova da semente-que-será-flor
Broto eu. Brota tu. Brotemos.
Infinitamente.

Angel

Oceanar

Sim, dou-me de corpo e alma e escancaro a nudez de meu eu para amores reais e imaginários. 
Minha versão pouco correta de fêmea causa indignação, curiosidade e ira. Mas quem irá compreender uma alma apaixonada e livre num tempo de liquidez e utilitarismo pungentes?
Desisti de buscar compreensão, quero apenas por versos em garrafas e lançá-los ao mar.
Talvez sereias profanas ou navegantes de outros tempos as encontre e possam beber e embriagar-se de minha poesia...

Angel

Detalhe

Se a vida são os detalhes
Se o que fica é a essência
Por que viver com pressa?
Por que só valorizar a aparência?

Nossa vida um instante
Diante da eternidade
Nosso planeta gigante
No Universo é  grão de areia

Mas o que faz você especial
É o fato de você ser
Então    S  E   J   A

Angel