terça-feira, 25 de abril de 2017

Ventre

fui arrancada ainda feto de um ventre e jogada aos lobos pra satisfazer-lhes.
filha da chuva e dos trovões, carrego a fúria do vento em meus quatro corações.
domei os lobos e, hoje, sou selvagem.
farejo a tempestade que se aproxima e me preparo, mas não espere que eu me fragmente, sou inteira
não espere que eu me esconda, 
sou verdadeira.
minha fé são estes pés ora em olímpo   ora em hades

angel

Frágil



não faça isso  comigo
sou frágil como uma lebre descarnada que vive
minha feridas são minha própria carne exposta
sei que todos me rodeiam
querem minha força,
minha luz,
a sexualidade que exalo....
mas compreendam, alguem
estuprou a menina que eu era
e eu carrego sua alma morta dentro do meu corpo
Ás vezes a morta geme , chora dentro de mim.
Tapo meus ouvidos com as mãos, mas não paro de ouvir seus lamentos dentro da minha cabeça.
Não exprema com força, não me julgue com severidade...
Eu me sinto perdida o tempo...

Angel

Tua




Quando digo que sou sua e você dúvida, perco meu rumo. 
Se lhe conto das saudades que senti e você diz que está com pressa em sair, quero pedir para que fique, mas perco as palavras.
Você é meu primeiro pensamento a cada amanhecer. Meu último pensamento, antes do adormecer.
Você me fez lembrar das preces que eu havia esquecido e trouxe a música às horas vazias.
Não vejo seus olhos, não sinto seu cheiro, mas sinto-o intensamente em mim.
E nossas almas perdidas se completam porque caminharam juntas por dezenas de existências.
Nos reencontramos, sem podermos nos encontrar. 
Eu, tão sua. Você, tão meu. Sem pertencimento , apenas sentimentos. Apenas amor.

Angel...

Faca



Há no fio dá lâmina o linear entre a vida e a morte.
Respiro o intervalo equilibrada sobre o medo.
Sou a resposta para a pergunta que ninguém nunca fez.
Sou a criança que teve a infância quebrada. Me corto com os cacos.
Mas todos os meus passos,  fui eu que caminhei. As culpas, são apenas minhas.
Agora o brilho está ofuscado pelo sangue doce da menina perdida.

Angel

Vampira



Estou em êxtase
Convulsão de gozos
Delírios com você numa madrugada febril.
A boca que percorre meu corpo inexiste. É sonho!
Atravesso a madrugada suando nos lençóis, gemendo seu nome no entreabrir dos lábios.
Você não está. Você não é. 
Eu, sua. Estremeço e sucumbo a exaustão deste desejo... 

Angel

Aranha

Teça sua teia
Envolva-me
Há em mim
Um quê de presa
Uma pressa em ser
Seu alimento
Há uma ânsia
Pelo sacramento
Pela dor, pelo fim
Eu, viscoso ser.
Inseto abominável
Parte baixa na cadeia alimentar
Eu, indigerível
Crave suas presas
No meu abdômen inchado
Sugue-me a gosma
Envenene-se
Que a nossa morte
Seja lenta e a dor
Insuportável.

Angel...